Bitcoin é 3º investimento mais popular entre brasileiros, diz pesquisa da FGV e Hashdex
Bitcoin também é a moeda mais reconhecida dentre os investidores – Foto: Pixabay

O Bitcoin é a terceira modalidade de investimento mais popular entre os brasileiros, segundo pesquisa da Fundação Getúlio Vargas (FGV) feita em conjunto com a gestora de fundos de criptoativos Hashdex (do HASH11).

Cerca de 27,78% dos investidores possuem bitcoin ou moedas análogas em sua carteira, atrás dos que aplicam em ações (72%) e títulos privados de renda fixa, como CDB (40%).

A pesquisa, divulgada primeiro pelo Valor Investe, analisa 576 pessoas de fevereiro a março. O público que serviu de base para o levantamento foram os clientes dos escritórios:

  • Monte Bravo
  • Blu3
  • Acqua-Vero
  • One
  • Renova Invest

O volume de investimento não foi revelado – ou seja, é o terceiro investimento mais popular, mas não necessariamente o que possui o maior valor alocado.

A seguir, no ranking da pesquisa FGV/Hashdex, vêm Tesouro Direto (18,92%), commodities (18,06%), moedas estrangeiras (13,19%) e poupança (1,74%).

No levantamento, também é revelado que os mais otimistas com a perspectiva econômica do Brasil estão na faixa dos 50 anos e priorizam investimentos em ações.

Os mais pessimistas com o cenário econômico do país, segundo a pesquisa, estão na faixa dos 30 e preferem criptomoedas.

Outro dado evidenciado pelos pesquisadores: entrevistados com até 29 anos têm mais conhecimento sobre criptoativos e são também o público mais propenso a tolerar riscos nos investimentos.

O ativo tende assim a estar na carteira de pessoas com um perfil de risco mais agressivo, além de ser popular entre quem possui curso superior em finanças.

Bitcoin é mais “reconhecível”

Na pesquisa, os participantes tiveram que identificar as siglas das criptomoedas (BTC, ETH, XRP). Mais de um terço (36%) conseguiu identificar somente a sigla do Bitcoin (BTC).

Além de ser a moeda mais líquida, o Bitcoin  é a que possui maior valor, cotada a R$ 240,2 mil, em um ciclo atual de alta.





Fonte original