O preço do Bitcoin continua supervalorizado e, embora a demanda tenha aumentado nas últimas duas semanas, não é suficiente para justificar preços em torno de US$ 65.000, disse o analista Willy Woo.

Segundo ele, o preço do BTC está se consolidando abaixo das máximas da semana passada, com forte suporte em US$ 55.000.

Além disso, Woo destacou que, no longo prazo, o choque de oferta está se fortalecendo nos níveis mais elevados de acumulação dos holders.

Contudo, ele alertou que ainda não se sabe por quanto tempo esse parâmetro permanecerá em patamares máximos:

“Normalmente, essa métrica começa a diminuir quando uma forte alta ocorre e os detentores de longo prazo começam a vender. Deste ponto de vista, a estrutura de alta ainda está em um estágio inicial. Isso promete um mercado altista em 2022”, disse ele em seu mais recente boletim sobre o Bitcoin.

Como pode ser visto no gráfico a seguir, o choque de oferta para os detentores de longo prazo está em uma zona de valores máximos.

A demanda dos detentores de longo prazo sugere uma alta. Fonte: charts.wobull.com

De acordo com o analista, quando essas altas ocorrem, geralmente há uma baixa no preço do Bitcoin. Em seguida, ocorre uma alta.

Menor demanda no curto prazo

Ainda segundo a análise, os detentores de curto prazo tiveram menos participação na alta que empurrou o Bitcoin para seu recorde histórico. E o choque de oferta para esses detentores não está crescendo, observou Woo.

Nas últimas semanas, essa métrica, que está associada à menor disponibilidade de BTC no mercado, cresceu moderadamente. Já nos últimos dias, houve uma ligeira queda no que diz respeito aos detentores de curto prazo.

Para justificar isso, Woo usou a métrica Supply Shock Oscillator. Com base nisso, evidenciou-se a entrada de preço em uma região de sobrevenda:

tendência-ligeiramente-baixa-detentores de curto prazo

Woo observou ainda que o preço está retornando de altos níveis de sobrevenda para valores mais consistentes com a demanda dos investidores.

Conforme destacou o analista, nas últimas duas semanas houve uma nova demanda de investidores. Segundo ele, isso ocorre à medida que os estoques de BTC das exchange diminuem.

“No entanto, é uma demanda moderada em relação à observada antes do máximo histórico de 20 de outubro”, aponta.

Por fim, a análise destaca que, com demanda insuficiente, a ação do preço pode ficar instável com tendência de queda que pode levar o BTC para US$ 55 mil.

Leia também: Trader anônimo transforma R$ 40 mil em R$ 25 bilhões com Shiba Inu

Leia também: Tokens valorizam até 72% após mudança de marca do Facebook; entenda

Leia também: Foxbit lança solução para empresas do Brasil receberem Bitcoin como pagamento



Fonte original