O Fundo Monetário Internacional está alertando que algumas das consequências de um país adotar o Bitcoin como moeda nacional “podem ser terríveis”.

De acordo com o conselheiro financeiro e diretor do departamento de marketing do FMI, Tobias Adrian, e a conselheira geral e diretora do departamento jurídico, Rhoda Weeks-Brown, uma criptomoeda como o Bitcoin (BTC) pode pegar em países sem inflação e taxas de câmbio estáveis ​​e fornecer às pessoas sem banco os meios para fazer pagamentos. No entanto, o custo para uma economia pode ser significativo.

Os dois funcionários do FMI alegaram que os países que adotam criptomoedas como moedas nacionais ou “concedem criptomoedas com curso legal” correm o risco de os preços domésticos se tornarem altamente instáveis, enfatizando também os ativos sendo usados ​​contra a lavagem de dinheiro e o combate ao financiamento de medidas de terrorismo, além de ter problemas que envolvem a estabilidade macroeconômica e o meio ambiente.

Relacionado: FMI adverte sobre a pior crise em 90 anos; Bitcoin pode estar em risco

“Se os preços dos bens e serviços fossem precificados tanto em moeda real como em criptoativos, as famílias e as empresas gastariam muito tempo e recursos escolhendo que dinheiro manter em vez de se envolver em atividades produtivas”, disseram Adrian e Weeks-Brown. “As receitas do governo estariam expostas ao risco da taxa de câmbio se os impostos fossem cotados com antecedência em um criptoativo enquanto as despesas permanecessem principalmente na moeda local, ou vice-versa.”

Eles também alegaram que a política monetária, em geral, “perderia o peso”, o que implica que a adoção generalizada da criptomoeda diminui a credibilidade de qualquer país que adote um ativo como o BTC ou outro token e aponte para “flutuações maciças nos preços dos criptoativos”. O preço do Bitcoin já oscilou entre cerca de US$ 65.000 e US$ 30.000 este ano e atingiu mais de US$ 40.000 na segunda-feira (26), antes de cair para US$ 37.000.

Embora o blog do FMI não tenha mencionado especificamente El Salvador, que deve começar a aceitar Bitcoin como moeda legal a partir de setembro, Adrian e Weeks-Brown disseram que transformar qualquer criptomoeda em moeda nacional “é um atalho desaconselhável” para serviços financeiros mais inclusivos . A dupla incluiu reivindicações de riscos ambientais para a mineração de criptomoedas, embora o presidente de El Salvador, Nayib Bukele, tenha dito que planeja aproveitar a abundante energia geotérmica do país para gerar blocos de Bitcoin.

Relacionado: JPMorgan: Adoção do Bitcoin em El Salvador pode prejudicar as negociações do FMI

Expressar opiniões aparentemente negativas sobre os países que adotam a criptomoeda não é nenhuma novidade para o FMI. Porta-vozes já haviam dito que nações menores, como as Ilhas Marshall, que reconhecem a moeda digital como moeda de curso legal “aumentam os riscos para a estabilidade macroeconômica e financeira, bem como para a integridade financeira”. Nesse caso, o FMI disse que a economia local das ilhas foi prejudicada pelas consequências econômicas da pandemia e provavelmente não seria corrigida com a introdução de uma moeda digital.

VEJA MAIS:

Desde 2019, não aparece uma janela de compra tão clara. Negocie mais de 400 pares de criptomoedas com 0% de taxa até 8 de Julho na OKEx.

Compre o mergulho agora na OKEx!



Fonte original