A Rede Globo exibiu no Fantástico deste domingo (15) reportagem sobre empresas que usam o bitcoin para aplicar golpe de pirâmide em Cabo Frio, Rio de Janeiro, e citou a GAS Consultoria. Alvo da Comissão de Valores Mobiliários e Ministério Público, a suposta empresa de investimentos promete uma rentabilidade fixa de 10% em criptomoedas.

Segundo a reportagem, a GAS Consultoria é a empresa com maior número de investidores na região de Cabo Frio. Seus ‘consultores’ de investimentos abordam os clientes via WhatsApp com promessas de ganhos fora da realidade.

O negócio, conduzido por Glaidson Acácio dos Santos, está sendo investigado por lavagem de dinheiro. Sem site, redes sociais ou outro meio de comunicação disponível para o público, a GAS possui escritório no centro de Cabo Frio. A equipe do Fantástico tentou falar com o proprietário, mas os funcionários se recusaram a atendê-la. Glaidson prometeu uma entrevista, mas acabou desistindo.

Em nota enviada aos clientes no final do ano passado, a empresa garantiu não ser pirâmide financeira e afirmou ter 90 escritórios físicos espalhados pelo Brasil. Contudo, o documento não foi assinado por nenhum responsável.

Dono da X6 Capital preso

Outra empresa citada é a X6 Capital, comandada por Ricardo Oliveira, conhecido como ‘Rick’, e que foi preso na semana passada. Sua empresa de ‘soluções financeiras’ que prometia aos investidores rendimento de 15% ao mês, é um dos vários negócios que vêm “vendendo a ideia de que é possível enriquecer muito e depressa”, comenta a reportagem.

Rick prometia aplicar o dinheiro dos clientes na bolsa de valores e em bitcoins, mas as investigações descobriram que nada disso era feito. Ele teve os bens bloqueados e seu carro apreendido para que a Justiça resguarde valores que mais tarde podem ser usados para amenizar o prejuízo de cerca de R$ 8 milhões aos clientes da X6.

No entanto, as investigações mostraram que os clientes de Rick também tinham aplicado dinheiro em outras empresas, sendo a maioria localizada em Cabo Frio. Pelo menos 10 empresas da região estão sendo investigadas, disse o Fantástico, ressaltando que o balneário virou o “paraíso dos golpistas” e que ganhou o apelido de ‘Novo Egito’.

Ares Traders e assassinato de sócio

Segundo a reportgem, a polícia investiga além de atentados o assassinato de Wesley Pessano, jovem de 19 anos que morto a tiros na semana passada, crime que pode ter sido encomendado. Nas redes sociais, Wesley explicava como havia ficado rico aplicando na bolsa e em investimentos em criptomoedas. A empresa em que ele era sócio, Ares Traders, comunicou o encerramento das atividades e prometeu que no prazo de 30 dias entrará em contato com os clientes.

Sobre os atentados, são ivestigaados dois casos que ocorrem neste ano, um em março e outro em junho. Em uma das ações, os criminosos conseguiram ferir a tiros pessoas envolvidas com empresas de investimentos.

No outro caso, que envolveu o dono da Black Warrior (BW), não houve feridos por conta do carro ser blindado. A BW, que agia em tanto em Cabo Frio quanto em Búzios, oferecia 30% de rendimentos sobre investimentos em criptomoedas. O negócio fechou e deixou vários clientes no prejuízo.

Investimentos em bitcoin

Cabe lembrar que as criptomoedas são voláteis e é impossível garantir rendimento fixo nesse mercado. Pirâmide financeiras conhecidas, como Unick Forex, Arbcrypto, Midas Trend, Genbit, já fizeram promessas semelhantes. Em todos os casos milhares de vítimas ficaram no prejuízo.

Ao investir, o certo é procurar uma empresa autorizada pela CVM, como ressaltou na reportagem o professor de economia da FGV, Jefferson Colombo, que citou uma das táticas de empresas fraudulentas:

“Se existe essa remuneração para você, caso você traga mais participantes, já é mais um sinal de alerta de que se trata de algum tipo de fraude, com uma pirâmide financeira. Em geral, essas pessoas ostentam muito em redes sociais e tentam despertar esse gatilho da ganância. E quem não gostaria de dinheiro fácil? O problema é que isso não existe”.





Fonte original