O GOV Token propõe o acompanhamento dos recursos liberados para uma agenda pública, tornando o processo transparente, imutável e auditável por qualquer cidadão ou organização. (Imagem: Reprodução/Depositphotos)

A solução de segunda camada da blockchain do bitcoin (BTC), chamada Lightning Network, será utilizada como infraestrutura tecnológica para rastrear gastos públicos. 

Trata-se da GOV Tokens, uma solução anticorrupção criada pela empresa de tecnologia para o mercado financeiro Investtools por meio de tokens. 

Segundo a empresa, a ferramenta é a primeira do Brasil a usar a rede como base tecnológica, desvinculando-se de uma aplicação focada em ativos financeiros e transações comerciais.

No entanto, o produto ainda vai ser concluído até o fim do ano, depois de o projeto receber um subsídio de R$ 1,5 milhão por parte de agências de fomento. O GOV Tokens tem subsídios da Finep, da Faperj e da AgeRio.

Como funciona

Segundo a Investtools, o GOV Token propõe o acompanhamento dos recursos liberados para uma agenda pública, tornando o processo transparente, imutável e auditável por qualquer cidadão ou organização.

A solução se baseia na emissão de tokens atrelados ao valor do real, sem fins comerciais ou de especulação, diz a empresa. 

Quando liberados por um órgão público para cumprir determinado fim, os tokens são inseridos na rede, registrando todas as movimentações financeiras em uma blockchain, desde valores, origens e destinos.

Deste modo o protocolo busca garantir que a quantia em dinheiro vai exatamente para o fim ao qual estava destinada, explica a companhia. 

Financiam o projeto a Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), a Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (Faperj) e a Agência de Fomento do Estado do Rio de Janeiro (AgeRio).

Para David Gibbin, CEO da Investtools, o GOV Token é o primeiro de muitos a se propor a “ficar de pé nos ombros do gigante”.

“A maioria das pessoas vê o bitcoin apenas como um ativo financeiro, mas a rede abre inúmeras possibilidades de soluções tecnológicas por conta da sua robustez e consolidação no mercado”, diz Gibbin.

Por que a rede Bitcoin?

A escolha da rede do bitcoin (BTC) para basear o GOV Token se deu, principalmente, por conta da sua robustez e segurança, funcionando sem interrupção ou ataques bem sucedidos desde seu primórdio em 2009, segundo a empresa. 

Por ser a blockchain mais distribuída do mundo, o protocolo está apoiado em milhões de computadores. Isso impossibilita qualquer alteração nos dados registrados e impede o chamado “ataque de consenso”, o que assegura que cada token seja gasto apenas uma vez, diz a companhia. 

O GOV Token se fundamenta, então, na credibilidade de um sistema já conhecido e “consolidado”.  

Para driblar a baixa escalabilidade e o tempo de geração de novos blocos, o GOV Token usa a Lightning Network, rede que roda na segunda camada da blockchain do bitcoin e é o principal meio de escalabilidade do protocolo.

Geralmente, a Lightning Network é usada para fins de carteira digital ou como terminal de pagamentos.

No entanto, os desenvolvedores do produto da Investtools decidiram aplicá-la como meio de comunicação entre as partes, para otimizar a velocidade de registro de dados e agilizar as transações.

Marco Jardim, diretor de tecnologia blockchain da Investtools, comenta que a Lightning Network funciona como um canal de comunicação das transações entre os membros da rede GOV Token e a blockchain do bitcoin.

Nela, é possível fazer transferências de forma instantânea, que, em seguida, são registradas na blockchain do bitcoin.

“Isso resolve o problema da lentidão de processamento de transações, enquanto mantém a segurança, a imutabilidade e todos os benefícios inerentes ao design tecnológico da rede descentralizada”, diz Jardim. 

O GOV Token é um sistema de troca de tokens em que, a cada transação, a verificação das regras do token ocorre apenas entre as partes envolvidas na troca (client-side validation).

Seguindo os protocolos da Lightning Network, a comunicação é feita como se ambas as partes estivessem em uma sala de chat privada, mas, em vez de trocar mensagens, trocam tokens.

Quando a conversa nessa sala privada termina, as informações do que foi transacionado geram um registro colateral e público no protocolo do bitcoin, assinado criptograficamente pela parte que gerou a transação.

Esse registro pode entrar em uma transação dentro de um canal da Lightning Network, quando é preciso confirmação instantânea, ou diretamente no blockchain do bitcoin (BTC), quando não há problemas em esperar o tempo de mineração do próximo bloco.

Todo este processo criptográfico será ‘traduzido’ em uma interface mais simples e compreensível a qualquer um, para facilitar a verificação e o acompanhamento dos gastos públicos pela sociedade civil e órgãos de controle.



Fonte original