A valorização impressionante do bitcoin na noite de domingo (25) pegou traders do mercado cripto de surpresa e fez com que US$ 1,14 bilhão fossem liquidados nas últimas 24 horas, segundo dados do Bybt.

O bitcoin é responsável pela maior parcela desse total, com US$ 883 milhões de posições liquidadas no período. O efeito cascata aconteceu depois que a criptomoeda líder do mercado disparou 12% e alcançou US$ 39 mil — a maior cotação em mais de um mês.

Cerca de 87% das posições liquidadas eram shorts, ou seja, apostavam na queda da moeda. Neste tipo de operação, os traders que operam alavancados procuram maximizar os lucros tentando prever a direção dos preços. Quando a moeda dispara e atinge um valor pré-determinado, as exchanges forçam a liquidação das posições compradas em short como forma de proteger o investidor.

A Bybit foi a corretora que registrou o maior volume desse tipo de operação ao liquidar cerca US$ 388 milhões. No entanto, foi na Huobi que aconteceu a maior ordem individual do dia, na qual um único investidor liquidou US$ 29,3 milhões.

liquidação bitcoin
Liquidação de bitcoin em julho. Fonte: Bybt

Essa foi a maior liquidação de shorts vista desde 18 de maio. Naquele dia em que o preço do BTC caiu para US$ 31 mil pela primeira vez desde janeiro, as liquidações de long foram ainda maiores e bateram US$ 7,5 bilhões.

O bom desempenho do bitcoin também impulsionou o preço de outras criptomoedas do mercado que, da mesma forma, desencadearam liquidações expressivas. O Ethereum, por exemplo, liquidou US$ 154 milhões de traders nas últimas 24 horas após valorizar mais de 8%.

XRP e Dogecoin também liquidaram US$ 17 milhões e US$ 15 milhões de posições, respectivamente. Enquanto o token da Ripple está em alta de 8%, a moeda meme cresce mais de 11%.

Alta do bitcoin

Um dos fatores que fazem o preço do bitcoin disparar neste início de semana é o rumor que a Amazon vai começar a aceitar pagamentos com criptomoedas até o final do ano. A informação foi repassada ao jornal londrino City A.M. por uma fonte anônima ligada à empresa. 

O caso ainda não foi confirmado pela Amazon. Apesar disso, a gigante do comércio eletrônico já demonstrou o interesse no setor na semana passada quando abriu uma vaga de emprego para contratar um líder de produto com foco em moeda digital e tecnologia blockchain.

A notícia ajuda o bitcoin a segurar um preço de US$ 38.178 nesta segunda (26). Nas principais corretoras brasileiras, a moeda é negociada a R$ 201 mil, segundo o Índice de Preço do Bitcoin (IPB).



Fonte original